Monday, July 30, 2007

Linguas de gato

Línguas de gato?
Quem é que se lembrou de um tema com este nome para concluir um mês orientado por ideias bastante melhores? Que ideia tão estranha, tão alternativa, imatura e, no fundo, tão adolescente…Tão simples, tão previsível e flagrante como até a escolha de um tema pode ser alvo de comentários pouco simpáticos, críticas e preconceitos sobre o que se desconhece.
Na Atitude 180 pensámos que na nossa tentativa de adaptação ao meio denunciamos a nossa grande necessidade de combater o medo face ao que é estranho, diferente de nós. Por isso tentamos sempre explicar o que nos acontece a nós e aos outros – situações, pessoas, histórias, mudanças – tudo nos faz muita confusão quando não conseguimos encaixar no que já conhecemos, prevemos e faz parte de nós. E nisto, como em outras muitas coisas, quando não se sabe inventa-se ou acredita-se ter a versão mais real ou conveniente das coisas.
Vidas desinteressantes, projectos frustrados, a inveja de quem é bem sucedido em alguma coisa ou simplesmente mais dotado fisicamente, a manipulação que ao destruir reputações eleva posições num grupo ou comunidade, são outros motivos para que línguas se tornem ásperas e cortantes como as dos gatos. Aos gatos são atribuídos traços de falsidade, de deslealdade e imprevisibilidade.
O seu maior doce, o seu toque suave e carinhoso e desafio eficaz para nos incentivar a brincar e confiar são, por vezes, comportamentos rapidamente alteráveis, transformando-se em outros, opostos.
Existem espécimes felinos destes capazes de, logo após esta exibição de aspectos positivos, arranhar, magoar, atraiçoar, cortar e comprimir a língua para soltar miados agressivos, ofensivos e aflitos.
Deus ensina-nos muitas coisas com os animais que criou – comportamentos que devemos ter a humildade de adaptar à nossa esfera humana e outros que são simplesmente para não imitar nem de perto nem de longe.
Em matéria felina, não é plano de Deus que nos assemelhemos a gatos falsos. Não é preciso aprofundar muito mais esta comparação pois não?
Mas existem também alguns gatos cujo miar é doce, agradável e o comportamento mais constante.
Inesperadamente, estudos vêm confirmar que os gatos podem ter efeitos terapêuticos, calmantes e motivantes em crianças, idosos e adultos.
A nossa atitude também pode ser a menos previsível como as conclusões destes estudo sobre estes animais.
Com as nossas palavras, pelo poder do Espírito Santo, podemos ter uma atitude comunicativa 180º diferente para melhor, claro! Ou ainda há quem queira continuar na mesma? É que não temos sítio para estacionar as naves dessas pessoas ao pé das Bombas da GALP (Lol J ).
Vamos trocar os maus hábitos pelos bons hábitos, revelando-os na forma como comunicamos!

Com as nossas decisões e atitudes e, em particular, com a nossa língua queremos:


AMAR MESMO QUE CUSTE MUITO * INSPIRAR PAZ * ULTRAPASSAR OFENSAS * INFLUENCIAR OS OUTROS POSITIVAMENTE * SER BONDOSOS * SER DIGNOS DE CONFIANÇA * CONSEGUIRMOS CONTROLAR A NÓS PRÓPRIOS

4 comments:

Anonymous said...

Nao sejamos como os gatos! Sejamos como Deus quer!
Ass: L, a batizada :p loool

Anonymous said...

Ahahah

xD

P0des crer...

Às vezes fica chat0 no's virmos saber d c0isas qe na0 sã0 vdd neh ?

=/


Miiiii xDD

Tinoca Laroca said...

Será que seremos capazes?
GOD BLESS YOU.
T.

Rayane said...

ha' pessoas q ñ sao capazes dissO...

mas cmO nos somos atitude 180

Conseguimossss

Pq Deus e' Bom..!!

=D